O talento é apenas parte de uma imagem muito maior, afirma Beata Śliwińska, uma designer gráfica polonêsa, ilustradora e fã de colagens. Ela acredita que o trabalho duro e a curiosidade sobre o mundo a ajudam a construir uma carreira e a desenvolver seu estilo de assinatura em design. E é indubitavelmente verdade, pois isso se reflete no portfólio de Beata.

Entre seus clientes estão marcas líderes mundiais, como Spotify, Adidas, Levi Strauss, Vogue, Forbes e Reserved. Beata é dotada de um amplo espectro de habilidades adquiridas durante seus estudos e por causa de seu interesse em modernidade e tecnologia da computação. Ela se inspira em tudo o que a cerca e compartilha alegremente suas fontes e fluxo de trabalho nesta entrevista.

Beata Śliwińska on Design, the Art of Collage, and Her Work With Spotify and Adidas

Beata Śliwińska

Partindo em uma aventura com design gráfico

Minha aventura com o design começou durante meus estudos de arquitetura. Os alunos foram obrigados a ter habilidades gráficas e de desenho juntamente com a teoria da modelagem 3D. Estudei na Faculdade de Arte da Paisagem, em Varsóvia, Polônia, onde tive que desenhar muito, esculpir e desenhar. Eu também tive a chance de mergulhar em estudos de design gráfico e publicidade. Foi assim que aprendi um amplo espectro de habilidades.

Sempre gostei de misturar caligrafia, material artesanal, recortes e papel contact. Esse contato direto com diferentes materiais – captura totalmente sua imaginação. No início dos estudos, tivemos que trabalhar no “modo analógico” (mesmo nas aulas de arquitetura), para aprender a precisão e meticulosidade no design. Minha paixão pelo design gráfico me deixou profundamente apegado à chamada cultura pop gráfica, que desempenhou um papel importante na construção de meu próprio estilo, com um forte foco na arte da colagem.

Logo após a formatura, consegui um emprego como designer gráfica em uma agência, aprimorei minhas habilidades em design digital e desenvolvi uma paixão pela arte da colagem após o expediente. Meu estilo como uma mistura de trabalho digital e analógico teve origem nesse período.

Beata Śliwińska on Design, the Art of Collage, and Her Work With Spotify and Adidas

Beata Śliwińska

Colagem como ponto de partida para tornar uma imagem plana mais dimensional

Eu acho que o interesse pela colagem de papel está aumentando no momento. Pessoalmente, prefiro usar materiais feitos à mão em meus projetos digitais que são digitalizados e processados digitalmente no computador posteriormente. Não os retoco completamente. Acredito que a textura do papel, as imperfeições e a varredura resultantes da digitalização são ativos incríveis que nenhum filtro do Photoshop pode obter.

No entanto, sou um fã ainda maior de colagem digital. Simplesmente porque amo a modernidade, o futurismo, a tecnologia da computação e todo o potencial que o software atualmente oferece. É por isso que eu nunca me chamaria de criadora de colagens. A colagem é apenas um ponto de partida para a técnica com a qual trabalho.

Meu principal objetivo como designer é tornar uma imagem plana mais dimensional. Quero que todo projeto pareça leve, apesar de seus muitos componentes, para que a “sensação de leveza” possa ser perceptível. Isso funciona perfeitamente bem tanto em projetos artísticos quanto nos procurados por grandes marcas. Você pode ver isso no meu trabalho para Adidas Originals, projetos dedicados para o KOMONO da Bélgica ou na campanha mais recente do Spotify.

Beata Śliwińska on Design, the Art of Collage, and Her Work With Spotify and Adidas

Beata Śliwińska

A magia da espontaneidade no design

Eu nunca pensei no meu trabalho no contexto do destinatário. Gostaria que meus projetos alcançassem uma ampla audiência, pessoas que compartilham minha visão de mundo, meu amor por coisas semelhantes, música e livros.

No meu trabalho, enfatizo a autenticidade, os projetos são frequentemente criados como resultado de êxtase ou momentos turbulentos, envolvem amor e espontaneidade.

Trabalho significa desenvolvimento e desenvolvimento é igual a curiosidade. Com tais qualidades e consistência, podemos ir muito longe.

Meu estilo é bem visível e reconhecível. Eu tento usar todo o espectro de funções que o Adobe Photoshop tem a oferecer. Uso formas de corte, seleção de forma livre, adiciono claro-escuro e aplico novos modos de sobreposição. Também uso atributos e formas, brinco com eles – essa é a parte mais essencial do trabalho. Se os projetos são extensos ou mais minimalistas, cada projeto é um processo de várias etapas.

A fase de pesquisa é muitas vezes ignorado e esquecido pelos criadores e designers. De fato, em design gráfico e modificação, o conteúdo principal são fotos ou desenhos. Eu os edito e os monto, dando a eles um novo visual que é a base de um novo trabalho! Neste ponto, estou no meio do processo criativo.

Tendo feito isso, passo para a fase de concepção e design adequado, que é a segunda etapa do projeto – uma tediosa. É tudo sobre atenção aos detalhes, sombras e luz.

Beata Śliwińska on Design, the Art of Collage, and Her Work With Spotify and Adidas

Beata Śliwińska

Como já mencionei, muitas vezes cedo à espontaneidade. Muitas vezes, ao criar pôsteres, ilustrações ou elementos-chave para campanhas, informo meus clientes que não existe um conceito de esboço em meu trabalho. Não desenho uma colagem, nem tento combinar materiais. Tudo é provisório. Essa é a mágica nele.

Criatividade no tempo da pandemia

Muitas coisas foram suspensas por causa da quarentena. Clientes maiores estão congelando seus orçamentos porque não sabem o que vai acontecer no futuro próximo. Mas você tem que aceitar isso.

Cuide-se, faça as coisas por si mesmo. Participei de vários projetos gratuitos, também criei um projeto para um hospital infeccioso em Varsóvia. Talvez seja a melhor época do ano para essas atividades?

Sou cumpridora – gosto de trabalhar, gosto de ser útil. Por isso, a princípio, fiquei triste por tudo ter diminuído a velocidade. Agora, estou muito feliz que isso esteja acontecendo. Passo mais tempo em coisas que sempre foram negligenciadas. Aprecio a simplicidade da vida, cuido das plantas, ouço música, visito minha família e cuido da minha paz interior.

Além disso, continuo focada na cultura visual, que está ao nosso alcance – filmes em canais de streaming, documentários ou livros – tudo isso tem um efeito incrível em nossos cérebros e insere novas imagens nesses pequenos compartimentos em nossas cabeças. Tento sair de Varsóvia o máximo que posso – a proximidade da natureza é essencial para que eu funcione.

Beata Śliwińska on Design, the Art of Collage, and Her Work With Spotify and Adidas

Beata Śliwińska

Inspiração e paixão diárias pelas artes visuais

As menores coisas nos tornam mais felizes. Posso encontrar inspiração no sorriso de alguém ou no sol da tarde, flutuando no apartamento ou até mesmo em um meme engraçado online. Eu não categorizo – eu construo a partir de pequenas coisas.

Minha paixão e inspiração derivam de muitos campos e pessoas. A princípio, havia artistas associados principalmente à arte da colagem, como Matthieu Bourel e Joe Castro. Eu amo designers que interagem com esse mundo parado como Eike Konig. Admiro o processo criativo de Sasha Lobe do Pentagram. Jessica Walsh e Leta Sobierajsky invariavelmente me apresentam o mundo colorido. Sou fã do estilo de Camille Boyer e dos recortes divinos de Quentin Jones.

O talento é apenas parte de uma imagem muito maior.

Tipograficamente e conceitualmente, gosto de Raoul Gottschling, JAPPARII e Hassan Rahim. Quanto ao design, minha fonte de inspiração são os criadores do modernismo, Arne Jacobsen, Le Corbusier, Mies van der Rohe, e toda essa ordem e modularidade que decorrem de seu trabalho.

Na moda, eu amo a abordagem de Dries Van Noten e Alexander McQueen. Eu poderia continuar devido ao meu amplo interesse em artes visuais.

Beata Śliwińska on Design, the Art of Collage, and Her Work With Spotify and Adidas

Beata Śliwińska

Trabalhando com Spotify, Adidas, Levi Strauss, Vogue Italia, Reserved e outras marcas mundialmente famosas

Toda colaboração trouxe uma nova qualidade à minha vida como designer. Cada projeto foi único em termos de complexidade diversificada e narrativa distinta.

Minha cooperação com a Adidas foi um trampolim e um começo maravilhoso para minha carreira de designer. Percebi que o que faço tem um significado mais profundo. Tenho boas lembranças do projeto Spotify, que se transformou em alguns meses de aventura e cooperação em nível global. Quanto mais desafiador o projeto e os objetivos, mais comprometido estou com ele. Sei quanto tempo e trabalho contribuí para isso e quantas pessoas estão envolvidas. É por isso que não é apenas o trabalho de uma pessoa. Sou grato às pessoas por toda a colaboração nos projetos!

Quando você trabalha com um grande cliente, o modelo de cooperação entre o designer-artista e a marca é certamente de grande valor. O fato de uma determinada marca ter se aproximado de você pode provar que você faz coisas legais. Você foi notado. Você trabalha com muitas pessoas e atende aos requisitos do briefing do cliente. Você não pode fazer o que deseja do começo ao fim.

Graças à minha experiência anterior adquirida em uma agência de publicidade, agora acho mais fácil trabalhar com resumos de clientes. Discuto, negocio e assim entendo o que é necessário de mim. Mas é importante saber que esses projetos têm um processo de aceitação em vários níveis, por isso frequentemente lido com muitos ajustes e modificações. Penso que a humildade e a implementação de novas soluções são dicas importantes ao se envolver em projetos semelhantes.

Beata Śliwińska on Design, the Art of Collage, and Her Work With Spotify and Adidas

Beata Śliwińska

O trabalho duro o ajudará a construir uma carreira em design

Meu conselho para aqueles que estão começando no design é procurar idéias e aumentar a criatividade em todas as áreas da vida. Não o traga apenas para a área de design. Ser PERCEPTIVO é a regra de ouro do design. E o que é essencial – durma um pouco.

Trabalhar duro. Nada neste trabalho vem facilmente. Você precisa ganhar sua própria experiência antes de encontrar seu lugar e momento no tempo. Trabalho significa desenvolvimento e desenvolvimento igual a curiosidade do mundo. Com essas qualidades e consistência, podemos realmente ir longe.

Participe de projetos para revistas de estudantes, mostre seu trabalho em galerias, no Instagram, participe de concursos. Viaje, descubra novos lugares, visite museus e galerias. Tire milhões de fotos, capture esses momentos fugazes no filme. Eu faço isso o tempo todo! Tudo o que nos define como pessoas criativas e nos permite criar um portfólio rico é que podemos mostrá-lo a alguém que um dia possa nos ajudar a fazer nosso primeiro projeto comercial maior. O talento é apenas parte de uma imagem muito maior.

Beata Śliwińska on Design, the Art of Collage, and Her Work With Spotify and Adidas

Beata Śliwińska

Minha lista de livros obrigatórios sobre design e criatividade

  • “Women Design” por Libby Sellers
  • “A Interação da Cor” por Josef Albers
  • “The Age of Collage” por Contemporary Art Collage in Modern Art parte 1 & 2
  • “Photography is Magic” por Charlotte Cotton
  • “Cut & Paste” por Richard Brereton
  • “Arquitetura Vivenciada” por Steen Eiler Rasmussen
  • “Sistemas de Grelhas – Um Manual Para Designers Gráficos” por Josef Muller-Brockmann

Assine nosso blog

Mantenha-se atualizado com as tendências, obtenha dicas e insights valiosos, além de materiais bônus.