Ao olhar para a arte de Julie Berthelemy, a primeira expressão que vem à mente é “pensando fora da caixa”. Suas imagens arrojadas e provocativas devem-se à sua visão lúdica e não convencional da vida cotidiana.

Para Julie, o processo de criação de imagens é uma aventura do aqui e agora. Embora, à primeira vista, você possa chamar seu trabalho de engraçado, toda imagem levanta uma questão importante. A essência de sua filosofia e abordagem à fotografia é se divertir. Uma afirmação simples que ilumina seus trabalhos, criando quase um gênero próprio.

Nesta entrevista, Julie Berthelemy, uma fotógrafa de Bruxelas e colaboradora do Depositphotos, compartilha sua história, as peculiaridades do processo criativo e explica por que a cor é importante.

Tornando-se fotógrafa e desenvolvendo um estilo fotográfico

Meu pai é fotógrafo. Quando criança, eu tinha um pequeno laboratório em preto e branco e me divertia fazendo fotogramas com tudo o que podia encontrar. Depois, fiz mais estudos científicos para perceber que não era para mim. Também fui para uma escola de arte onde estudei muito a filosofia da arte. Durante esse período, me familiarizei com a fotografia de uma maneira diferente.

Eu realmente gosto de Marcel Duchamp, não pelo que ele fez, mas por quem ele era. Intelectualizamos suas obras em grande parte, esquecendo que a essência é divertida – rindo da teocracia da arte e das mentes fechadas.

Julie Berthelemy “The most important thing missing in society today is fun”

Não me comparo a esse ilustre artista, mas tento manter essa essência. Quero me divertir: não apenas estou convencido de que é contagiosa, mas também tenho a impressão de que é o que mais falta na sociedade hoje.

Sobre a importância da cor

A cor é muito importante para mim porque dá um toque de otimismo à vida cotidiana.

Às vezes, um objeto simples que encontramos, obtém um valor totalmente diferente quando destacado com uma cor tônica. É como mágica. A cor dá asas e provoca admiração.

Sobre inspiração e criação de projetos

Eu acho a vida bonita. Para mim, a beleza não é uma aparência. É um equilíbrio entre dois opostos: sombra e luz.

Nos meus trabalhos, aponto os absurdos da sociedade e faço deles metáforas e oxímoro.

Hoje, alimentamos os herbívoros com uma refeição de animal ou contaminamos alimentos com pesticidas apenas para torná-lo bonito. Destaco esses absurdos com pequenas provocações infantis e tento surpreender fazendo as coisas parecerem diferentes.

Para mim, além da inspiração, é necessário comunicar, compartilhar uma imagem com um pouco mais de leveza do que as palavras.

Antes de escolher um assunto da foto, eu sempre me faço estas perguntas:

  • como poderei dar mágica no momento presente?
  • o que poderia causar uma mudança na perspectiva do que me rodeia?
  • como eu poderia me fazer sorrir olhando em volta?

Eu tenho um pequeno caderno onde escrevo minhas idéias. Eu carrego comigo o tempo todo. Mas muitas vezes os projetos vêm de uma perspectiva diferente da vida cotidiana ou do tédio. É maravilhoso estar entediado, é a fonte da imaginação.

Julie Berthelemy “The most important thing missing in society today is fun”

Então, eu tenho o que chamo de baú do tesouro com todas as coisas que comprei sem realmente saber para que elas seriam usadas.

Quando inicio uma sessão de fotos, mostro todos os meus tesouros e os misturo de forma a provocar encontros casuais ou acidentes mágicos. Mas eu sempre começo uma sessão com minhas anotações, o que me permite ver os possíveis encontros entre os diferentes objetos.

Eu costumo passar um dia no estúdio fazendo isso, mas não meço o tempo de cada composição. É um pouco de uma aventura do aqui e agora, onde tudo é possível.

A mitologia do peixe com cristais, mãos e pernas

Os objetos geralmente carregam realidade e mitologia. Mitologia é uma crença presa à realidade e condicionada no inconsciente coletivo. Substitui a realidade e a distorce a ponto de nos fazer esquecer a verdadeira natureza das coisas. Influencia mal a percepção das coisas, mas com autoridade, penetrando na consciência.

O mito é uma representação silenciosa e sorrateira. Para mim, braços e pernas são os símbolos do feminino. São o que a moda, revistas e a sociedade patriarcal gradualmente se prenderam a arquétipos, gerando padrões de perfeição impossíveis de serem alcançados.

Julie Berthelemy “The most important thing missing in society today is fun”

No entanto, os homens também são prisioneiros dessas crenças. Sua sensibilidade é censurada e julgada … Eles devem ser fortes.

A barriga pode ser o símbolo da caverna (alegoria da caverna de Platão) ou a cavidade uterina como símbolo de proteção ou reflexão. Como a barriga da baleia em Pinóquio.

O tipo de mistura dos sentidos e da essência deve provocar uma mudança de perspectiva. Os cristais são um símbolo de luxo, mas os peixes estão mortos.

Podemos comer cristais?

Julie Berthelemy “The most important thing missing in society today is fun”

Explicando a ideia da série de galinhas

O frango é um animal morto e um objeto do consumo industrial produzido em larga escala. Eu a misturei com elementos reconhecíveis de apego à imagem ou uma forma de acessório revolucionário “sem futuro”.

Julie Berthelemy “The most important thing missing in society today is fun”

O segundo brinca com a frustração da criança, brincando com as lembranças que temos de nossos pais, lembrando-nos de terminar o prato antes de comer uma sobremesa. A magia dos aniversários com velas e confeitos é quebrada pela galinha, que lembra frustração.

Todos nós fomos crianças.

Julie Berthelemy “The most important thing missing in society today is fun”

Como pensar fora da caixa

Devo admitir, não me fiz essa pergunta muitas vezes. Eu faço o que amo, então acho que estou em um caminho muito pessoal.

Talvez parar de querer estar na moda?

Divirta-se, aproveite o que faz, compartilhe suas paixões e emoções e, acima de tudo, seja você mesmo.

Assine nosso blog

Mantenha-se atualizado com as tendências, obtenha dicas e insights valiosos, além de materiais bônus.