Andrey Gudkov é um fotógrafo da vida selvagem, que foi homenageado pela National Geographic Russia, Federação Internacional de Arte Fotográfica, Sociedade Real de Fotografia e recebeu dezenas de outros prêmios internacionais. Seu portfólio consiste em fotos únicas de animais silvestres e da natureza, que levam todos a sonhar em pegar uma câmera e ir à expedição para a África.

Tornar-se um fotógrafo de vida selvagem desse nível é uma batalha difícil. É um gênero caro, complexo e perigoso. Nesta entrevista, perguntamos a Andrey por que ele escolheu se tornar um fotógrafo da vida selvagem, quanto tempo leva para se preparar para a expedição e que perigos ele enfrentou em sua impressionante carreira.

Fotografia da vida selvagem como um chamado

Nunca me perguntei em que gênero gostaria de fotografar. Eu sempre soube que gostaria de ser um fotógrafo da vida selvagem. Minhas cartilhas eram álbuns de fotos de fotógrafos mundialmente famosos como Steve Bloom, Frans Lanting e Michael Poliza. Seus trabalhos me inspiraram e proporcionaram uma espécie de ambiente nutritivo para a criatividade.

Gradualmente, por tentativa e erro, desenvolvi meu próprio estilo. No início da minha carreira, tudo parecia tão simples e compreensível, mas quanto mais fotografava, mais percebia como era difícil fotografar esse gênero e que havia espaço infinito para a criatividade.

A fotografia da vida selvagem é um gênero caro, complexo e imprevisível. Nem todo mundo pode fazer isso profissionalmente.

Nossa profissão está intimamente ligada aos animais selvagens, e entender o comportamento deles é quase tão importante quanto a própria fotografia. A chave do sucesso é saber como tratar os animais, para que eles se aproximem.

Wildlife Photographer Andrey Gudkov on Expeditions, Gear, and Danger

Macacos, por exemplo, entendem a linguagem de sinais – uma palma da mão aberta significa um gesto amigável. Um punho é uma ameaça. Incline a cabeça na frente do gorila macho de dois metros de altura em sinal de obediência, e isso permitirá que você fique perto do alcance do braço, sem agressão.

Preparando para a expedição

Qualquer trabalho criativo, se realizado profissionalmente, está vinculado a coisas como preparação, financiamento, pós-produção e assim por diante.

A expedição deve ser cuidadosamente planejada antes da partida, pois o resultado final depende dela.

Pode levar semanas ou meses para se preparar. Às vezes, leva nove meses para se preparar para dois ou três dias de sessão de fotos. Pode incluir correspondência com os parques, obter as permissões necessárias e estudar o ciclo de vida de um animal em particular.

A pós-produção também é uma etapa importante, grande e complexa. Primeiro, você precisa escolher as imagens mais interessantes de uma massa inteira. Então você tem que processá-las, converter para TIFF e cortar. O próximo estágio é a tradução em formatos de alta resolução e visualização, arquivamento e classificação.

Wildlife Photographer Andrey Gudkov on Expeditions, Gear, and Danger

Fachada é uma imagem pronta para uso e apenas 10% do trabalho. O restante é um trabalho árduo que apenas poucas pessoas compartilham. A fotografia da vida selvagem é um gênero caro, complexo e imprevisível. Nem todo mundo pode fazer isso profissionalmente.

Sobre os equipamentos

Eu tenho duas câmeras – Canon EOS-1D X. Também tenho um conjunto de lentes com distâncias focais de 18 a 35 mm, 24 a 70 mm, 100 a 400 mm, 180 mm (macro) e fixo 600 mm. Esse é o equipamento que eu usei até agora.

Sobre os melhores destinos para a fotografar a vida selvagem

Cada pessoa escolhe subjetivamente o destino mais interessante para fotografar. Por exemplo, conheço fotógrafos que vieram ao Quênia nos últimos 25 anos para fotografar a Grande Migração. Há quem goste das latitudes polares, bem como quem goste de trópicos e selvas.

Permitam-me destacar uma coisa: a África é o continente que atrai quase todos os fotógrafos que trabalham no gênero de fotografia da vida selvagem. A grande diversidade de espécies e, mais importante, a acessibilidade para a fotografia não podem ser encontradas em nenhum outro lugar do mundo. Fotógrafos iniciantes e profissionais experientes vêm aqui.

A história por trás da foto da luta livre dos dragões de komodo (“Fotógrafo do ano da vida selvagem”)

Tirar uma foto da luta livre de dois dragões de komodo é uma sorte grande. Venho à Ilha Rinca há anos esperando capturá-la.

Wildlife Photographer Andrey Gudkov on Expeditions, Gear, and Danger

Geralmente, brigas entre machos dragões ocorrem durante a estação de acasalamento, que dura todo o mês de agosto. Já vi algumas lutas de dragões de komodo antes, mas não gostei de nenhuma delas da perspectiva da fotografia. Eles estavam muito longe, a grama alta cobria a vista ou o fundo estava muito “sujo”.

No mês de dezembro passado, vim para Rinca novamente. Dois homens grandes se encontraram na colina. Pelo comportamento dos dragões, meus guias disseram que pode haver uma briga. Alguns minutos depois, eles mostraram duas grandes rodadas, cada uma durando alguns segundos.

Tudo correu bem nesta foto. Eu tinha uma luz excelente, um fundo excelente e a ausência de objetos estranhos na frente de dragões. Você pode sentir a tensão do momento e a escala dos animais. Por outro lado, parece irreal. É como se eu tivesse comprado um ingresso para a máquina do tempo e me mudado para o Jurassic Park.

Capturei esta foto de mão sem tripé na CANON EOS 1 DX com uma lente de 100-400mm.

Em situações perigosas durante expedições

Na Zâmbia, por exemplo, eu e meu guia encontramos um covil de leões. A fêmea deixou três leões pequenos e foi caçar. Houve uma grande tentação de sair do carro e tirar fotos. Eu fiz. Tirei algumas fotos à queima-roupa. Eu mergulhei tanto nisso que esqueci a leoa. O guarda me arrastou no carro no último momento. Assim, conseguimos evitar um ataque.

Nenhuma foto – mesmo a melhor – vale uma vida humana.

Wildlife Photographer Andrey Gudkov on Expeditions, Gear, and Danger

Em Bornéu, fui atacado por orangotangos. Eles são como pessoas, todo mundo tem seu próprio caráter. Cheguei um pouco mais perto, o animal não gostou e não hesitou em usar suas presas e garras. Mas estes são apenas episódios. Se você insistir nisso, é melhor deixar a profissão.

Na fotografia da vida selvagem, o risco está sempre presente. No entanto, qualquer risco deve ser justificado. Nenhum tiro – mesmo o melhor – vale uma vida humana.

Assine nosso blog

Mantenha-se atualizado com as tendências, obtenha dicas e insights valiosos, além de materiais bônus.